Posts Tagged ‘ relacionamento ’

As mentiras que os homens contam

As Mentiras que os homens contam

Em primeiro lugar, é mister dizer que estou com dor. No ombro. De novo.

Portanto estou mais cínica e com menos paciência do que o normal.

Fui com uma amiga assistir “Meia Noite em Paris”, do Woody Allen. Na entrada, um velhinho parecia confuso e ofereci ajuda para localizar o assento dele. Ele recusou a ajuda e disse que ia sentar do meu lado, já que o cinema estava vazio.

Na saída, ainda embevecidas pelo filme, fomos convidadas pelo senhorzinho para tomar um café no bistrô do cinema, e aceitamos. Ele, muito galante, fez questão de pagar o nosso lanche e tentou manter uma conversa, coisa difícil já que ele quase não escutava.

Os galanteios do idoso foram engraçados, e não levamos todo aquele assanhamento a mal. É comum que as mudanças hormonais aos oitenta deixem a libido acesa, e ele não falou nada ofensivo. Pra mim estava tudo tranqüilo com o nosso novo amigo, até que ele sugeriu nos encontrarmos lá para outros filmes.

Minha colega gostou da idéia e pediu o telefone dele, e ele prontamente respondeu que como mora com a esposa e uma filha não poderíamos ligar pra lá, e que caso alguém perguntasse sobre nós ele diria que éramos suas professoras de inglês e francês, e que deveríamos dizer o mesmo.

E foi aí que eu azedei.

Acho que o flerte é saudável em todas as idades, mesmo para pessoas comprometidas, para que a auto-estima se mantenha em dia. Mas sou contra sacanear o outro. A história pronta do velho deixou muito clara a malandragem do cidadão, que pelo jeito já estudou muitas línguas estrangeiras ao longo dessa longa existência.

É triste ver um senhor que contou ter netos de mais de trinta anos ainda com tamanha disposição pra mentir pra esposa. Pra quê? Isto é mesmo necessário? A esposa acharia que ele está tendo um caso com uma mulher da idade dos seus netos se ela soubesse que ele nos pagou um lanche?

Homens precisam ser assim? A compulsão por mentiras pelo jeito não melhora com a idade, o cidadão continua mentindo “just in case”, pra evitar confusão, pra não magoar ninguém, porque a esposa não entenderia, e aí mente o tempo todo, sobre tudo, para a desgraçada.

Aí o cara ainda envolve quem não tem nada a ver no rolo. Tem uma montanha de assuntos mal resolvidos com a esposa e ao invés de resolvê-los vira pra mim e pede para que eu ajude a mentir pra ela! Mentir para a esposa dos outros é fogo né.

Eu não minto quase nunca, por princípio pessoal e por preguiça. Mentira sempre acaba gerando muito trabalho para ser sustentada. E não acho normal que mintam pra mim. Aí alguém que não me conhece, simplesmente me informa que então mentiremos juntos para a esposa dele. Oi?

Acho que o que me deixou mais chocada nisso tudo foi a mensagem de que não, as pessoas não mudam nem com oitenta anos. Porque obviamente ninguém aprende a ser malandro nessa idade. Quem é mentiroso aos trinta vai ser aos quarenta e etc, até um dia virar um velhinho mentiroso, e pronto. Um dia vai achar que está abafando com as menininhas no cinema mostrando como é safado e enrola a esposa e elas vão estar se divertindo com a senilidade dele. A verdade dói.

Aí a mulher que quer ter um relacionamento com um tipo destes, que a trata como se ela fosse retardada mental, precisa ficar ouvindo mentiras cretinas e tendo que fingir que acredita em professoras de inglês e afins, simplesmente porque o cara não tem coragem de falar na cara as coisas mais simples, ou ainda, não quer falar na cara para não abrir um precedente. Vai que a esposa resolve fazer amigos também! Aí não!

Ah, essas mentiras que os homens contam…

Anúncios

Onde acaba o passado?

Durante anos repetimos as mesmas situações: no trabalho, no amor, nas relações humanas. Algumas vezes por simples coincidência, grande parte porque, inconscientemente, buscamos esta repetição.

É fácil entender a repetição de ações agradáveis, mas a grande pergunta é: por que repetimos o que nos incomoda?

No amor: um relacionamento fracassado após o outro e a menina continua buscando caras com perfil violento, ou mulherengo, ou frouxo, ou com grande diferença de idade. Terapia seria o caminho correto para tentar entender de onde vem esta atração, mas quem não tem tempo, dinheiro ou disposição para procurar ajuda profissional pode simplificar: ao perceber que existe um padrão desagradável, mude. Simples assim. Reflita se você não está projetando no outro suas frustrações familiares, sua relação com pais e parentes.

No trabalho: você ainda repete comportamentos dos tempos de escola na sua vida profissional? De forma geral, quem sofre bulling no colégio leva para o resto da vida a sensação de inadequação, o medo de ser ridicularizado ou humilhado publicamente. Profissionais competentes congelam, sem consciência de que esta é uma reação que tem muito mais a ver com o passado do que com o momento atual.

Como lidar com isso?

Continuar a ler

Será que não é hora de amadurecer? Aprenda a amar e ser amado

amar e ser amado

The greatest thing
You will ever learn
Is just to love
And be loved in return

Parece que muita gente já descobriu. Eden Ahbez disse nesta letra ali em cima, sucesso no filme Moulin Rouge. Herbert Viana também cantou que “saber amar é saber deixar alguém te amar”. São tantas outras músicas e poemas sugerindo uma “ajudinha” para o amor… e parece que mesmo assim é difícil entender.

A gente cresce ouvindo muita besteira dos adultos, e uma delas é o velho consolo “quem for gostar de você deve gostar exatamente de quem você é”. Depois crescemos e nossas amigas falam que o cara que deu o fora é um babaca por não querer uma pessoa tão maravilhosa.  Se você vêm escutando há anos da família e amigos que é uma pessoa maravilhosa, mas ainda está solteiro(a) mesmo querendo um relacionamento, será que não é o caso de pensar que, embora você tenha muito a oferecer, ainda não aprender a ser amado?

Porque, sim, SER amado exige quase tanto esforço quanto amar.

Já não lembro mais onde eu vi, se em filme ou livro, uma frase incrível: “Por que é tão difícil te amar? Me apaixonar foi tão fácil…” Eu já senti isso, e sei que você também. Quando a gente ama e se magoa, esta é a primeira sensação que aparece. Esta é a parte fácil. Difícil mesmo é apontarmos a análise para a própria barriga e ver como a gente dificulta as coisas para o outro.

Nós já sabemos enumerar o que é o companheiro perfeito também sabemos que a nossa dignidade e bem estar está acima de tudo e todos, mas isto não é desculpa para tratar o outro da maneira que VOCÊ decidir que é melhor para ele, e depois ainda achar ruim quando as coisas não derem certo.

Ninguém disse que o amor precisa ser fácil para ser verdadeiro. Nem fácil, nem simples nem rápido. Se a pessoa vale a pena, ou parece valer a pena, temos que nos dedicar a ela como a um “case” no trabalho. Ou ainda, se você gostaria que sua vida amorosa fosse totalmente diferente, que tal começar a mudança de dentro para fora?

Veja algumas sugestões:

Continuar a ler

Você sabe ser solteiro? e comprometido? Às vezes é mais complicado do que parece.

Conversando com meus amigos fui reparando que existem várias maneiras distintas de encarar a vida a dois, e que algumas pessoas são viciadas em certa maneira de se comportar. Podemos ser divididos em três grupos, quando nos referimos a status de relacionamento: eternos comprometidos, eternos solteiros e intercaladores. Descubra qual é o seu:

Eternos comprometidos

Os eternos comprometidos somente enxergam a si mesmos através dos olhos do outro. Sem uma pessoa para completá-lo este indivíduo perde a identidade. Ele emenda um namoro no outro desde a adolescência, sem nunca passar um período só. Quando um relacionamento começa a ir mal, conscientemente ou não este indivíduo já começa a se interessar por outras pessoas, e só quando encontra alguém interessante é que toma coragem para terminar o relacionamento anterior.

Quando um eterno comprometido acaba acidentalmente solteiro (a decisão do rompimento não foi dele) ele entra em pânico e sobram três alternativas: implorar para reatar, sair com várias pessoas indiscriminadamente até encontrar uma que tope namorar e, se nada der certo, ficar profundamente deprimido.

No caso de reatar ou namorar o primeiro que aparecer, ele está só tapando um buraco. Nas duas opções o comprometido vai buscar novas pessoas enquanto namora e, quando encontrar, descartará o parceiro tapa-buraco. O problema de ser assim é magoar pessoas nesse período de transição.

Lembrou de alguém? Tem mais, continue lendo!

Continuar a ler